Domingo, 24 de junho de 2018

Facebook Twitter Instagram

<< Voltar

Em 30 anos, população rural do RS registra queda de 37%

Publicado em 27.03.2017 8:53

A população rural do Rio Grande do Sul em 2010 é 37% menor do que em 1980, de acordo com dados do último censo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE). Há 30 anos, o número de pessoas morando no campo no estado era de 2,5 milhões, enquanto em 2010, esse número caiu para 1,6 milhões.

A cidade de Carazinho, no Norte do estado, registra bem essa realidade. Em 1980, a população rural era de 10.640 pessoas. Já em 2010, eram apenas 1.640 pessoas. O caminho de retorno para o interior ocorre, mas ainda forma lenta.

“A grande dificuldade é da mão de obra de jovens ficarem na área rural. E outro fator que questiona muito os gestores públicos, principalmente os prefeitos, é a questão da acessibilidade. Vários anos atrás tinha a dificuldade de alguns municípios com energia elétrica”, explica o coordenador da agência do IBGE de Passo Fundo, Jorge Bilhar.

Para o coordenador de extensão rural da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Passo Fundo (UPF), Benami Bacaltchuk, alguns fatores contribuem para o esvaziamento no campo, como o sistema produtivo tradicional, dificuldade no acesso à saúde, educação e entretenimento. “A evolução tecnológica demanda menos esforço físico. E esse menos esforço físico explica esse processo de perda de gente, agregado ao fato de que nós não tivemos política de estímulo à manutenção do homem no campo”, comenta Benami.

Entretanto, nem todo caminho é trilhado pelo êxodo rural. Há quem aposte na agropecuária. No interior do município de Vila Maria, que fica a 260 km de Porto Alegre, há uma pessoa que segue vivendo na propriedade rural mesmo com formação superior.

Ricardo de Carli é formado em Ciências Contábeis, e todo conhecimento que adquiriu ajuda na gestão do negócio, incluindo metas a cumprir e folgas semanais. A maior parte da renda da família de Ricardo está concentrada na atividade leiteira, onde até os filhos são peças fundamentais para o negócio dar certo.

”Todo dia, o que a gente gasta, qual o consumo de silagem, de ração, os produtos que a gente utiliza para a lavoura, quanto a gente gastou… Já para ter uma projeção para o próximo mês, o que a gente vai precisar. Isso ajuda para, no futuro, no próximo ano, já sabermos quanto mais ou menos a gente vai ter de gasto”, diz o contador e produtor rural.

Na propriedade de Carli, o ritmo segue tão intenso que a expectativa é triplicar o número de vacas leiteiras nos próximos meses. O produtor rural Clair de Carli diz estar feliz por ter os filhos trabalhando com ele.

O otimismo também faz parte da rotina na propriedade, onde o técnico agropecuário e produtor rural Paulo César de Carlim aplica seu conhecimento do curso superior. ”A gente vai ter que pensar pros nossos filhos, para os nossos herdeiros. Quanto mais a gente se organizar, procurar os conhecimentos, mais a propriedade vai crescer. E é o que a gente espera”, comenta Paulo.

Quem acompanha de perto essa situação do interior é a Ematee que afirma que mais de 30% das famílias não têm sucessor e, em média, 60% das famílias não discutiram o assunto.

O extensionista rural Ivan Pasa reforça a importância dos investimentos. “Os investimentos hoje são necessários. Investimentos de curto, médio, e também de longo prazo. Então é importante que a sucessão ela exista, que haja um diálogo entre pais e filhos. E que se estabeleça esse plano de trabalho, de negócio”.

Fonte: G1-RS

Relacionado

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site ou de seus editores.