Sábado, 26 de maio de 2018

Facebook Twitter Instagram

<< Voltar

Diversão e aprendizado marcaram o 4º Acampamento da Criança com Diabetes em Passo Fundo

Publicado em 22.11.2016 18:25

acampa

As 48 crianças que participaram do 4º Acampamento da Criança com Diabetes, aprenderam, promoveram saúde e autocuidado por meio da diversão e ludicidade. Os quatro dias de evento, de 17 a 20 de novembro, foram de programação intensa envolvendo oficinas, rodas de conversas, gincanas, show de talentos e muita troca de experiências. “Foi o melhor Acampamento que já teve. Ele foi muito planejado, teve show de talentos, gincana e brincadeiras. As coisas que eu mais gostei foram a comida gostosa e que as crianças que participam também são diabéticas, assim podemos trocas experiências e aprender muitas coisas. Não conhecia nenhuma criança com o diabetes antes do Acampamento então foi bom ver como o mundo é pequeno e que tem outras pessoas que passam pelas mesmas dificuldades que a gente”, relata Cristine de Quadros, 10 anos, de Carazinho, que participa do evento desde o projeto piloto.

O evento único no Brasil foi uma promoção da Universidade de Passo Fundo (UPF) em parceria com o Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo, Lions Clube LD7 e Grupo de Escoteiros Maragatos. Mais de 200 pessoas, dentre pacientes, pais e acompanhantes, equipe médica e profissionais da saúde, além de voluntários e representantes de instituições estavam envolvidas no evento. O HSVP disponibilizou todas as refeições do Acampamento, pensadas e preparadas pela equipe de nutricionistas. Ao todo mais de 4000 refeições foram produzidas e distribuídas. “Todos os participantes comeram a mesma comida, enfatizando que não é necessário fazer uma alimentação especial para os diabéticos. A alimentação saudável é importante para todos, e é possível preparar um cardápio saboroso e saudável. A prática de todos se alimentarem juntos, também ajuda na aceitação da doença e a criar o hábito de uma boa alimentação”, enfatizou a nutricionista Marina Canalli.

Sobre as propostas para o Acampamento, a coordenadora do projeto, professora da UPF Cristiane Barelli destaca que o evento tinha algumas metas bem ousadas e que a primeira delas era atingir 50 crianças. Essa meta, segundo ela foi atingida graças a estratégia da realização de uma gincana, que foi realizada desde 1º de outubro com os participantes. Dentre as tarefas prévias, uma delas era trazer mais crianças para o encontro. “Durante esses quatro dias nós tivemos muito entrosamento, ampliamos o número de municípios, temos crianças que participam desde o primeiro encontro, e outras pela primeira vez. Além disso, este ano um dos participantes teve o diagnóstico há quatro dias e a família toda pode participar e ser acolhida. A criança estava internada no hospital e o médico pediatra soube do projeto, entendeu a sua importância e autorizou ele a participar durante o dia e voltar para o hospital a noite. Além disso, os pais já se inscreveram para a Associação das Crianças e Jovens com Diabetes do Sul do Brasil, que também era uma das nossas metas realizar a assembleia da sua fundação”, relatou Cristiane reforçando que o projeto é de permanente cuidado, e o Acampamento é uma das ações dentre várias realizadas ao longo do ano.

A médica Mirian Tombini, Assessora de Saúde do Lions Clube, também avaliou positivamente o evento. “Mais uma vez o Acampamento superou as expectativas e estamos muito felizes. São 51 crianças participando, 48 diabéticos, onde também abrimos um espaço àqueles com idade inferior a seis anos ou maior que 12, para que participassem das atividades no sábado. Foram dias de convivência, relacionamento, troca de experiências e de tirar as dúvidas, tudo isso de forma lúdica e divertida”.

A experiência compartilhada é o que a mãe da Cristine, Vanderlise de Quadros leva como maior ganho de todos os Acampamentos. “Essa troca entre mães e pais ajuda muito. No começo eu pedia muita ajuda e hoje também oriento outras mães. Esse evento é especial para todos e principalmente para as crianças que veem que não são os únicos e que podem viver com saúde e qualidade de vida”, considerou.

Quem participou pela primeira vez do evento, também aprovou. Emily Bassani, sete anos, de Passo Fundo, descobriu a doença há seis meses e encontrou no Acampamento muitas dicas e aprendizados. “Foi muito divertido e o que mais gostei foi do tobogã de água que todo mundo desceu. Aprendi nesses dias que para aplicar a insulina tem que revezar o lugar e o dedo para ver a glicose também, se não machuca. Na oficina da nutrição aprendi a fazer bolo de banana com maçã. Antes do Acampamento eu não conhecia nenhuma criança com diabetes e agora conheci várias. Aprendi também que todo mundo tem que se cuidar, e se seguir direitinho as dicas e gente não fica doente e não vai para o hospital”, contou a pequena sobre sua experiência.

 

Relacionado

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site ou de seus editores.