Domingo, 21 de outubro de 2018

Facebook Twitter Instagram

<< Voltar

Alimentação dos recém-nascidos é tema de treinamento no HSVP

Publicado em 04.05.2016 16:29

treinamento

O cuidado com os recém-nascidos no Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo, para que se desenvolvam saudavelmente, envolve uma equipe interdisciplinar, que atua em conjunto buscando o melhor cuidado e técnicas adequadas para atender os pequenos. Uma das áreas que necessita de atenção é a alimentação dos bebês e em especial os prematuros. Por isso, a equipe de Fonoaudiologia, por meio da Fonoaudióloga Lisiane L. Siqueira, promoveu um treinamento para as equipes da Pediatria e CTI Neonatal, trazendo informações acerca desse assunto.

“A amamentação foi o foco principal, ressaltou-se o manejo das dificuldades na hora da amamentação, a fisiologia da sucção, os tipos de mamilo da mãe, as implicações de um frênulo lingual alterado, saber o que é uma sucção adequada e que o prematuro tem incoordenação para sugar, engolir e respirar”, enfatiza Lisiane. Além disso, ela pontua que  busco-se orientar quanto a forma correta de oferecer o copinho, a mamadeira, realizar translactação e o método sonda-dedo e os tipos de bicos adequados para cada caso, tudo que precisa ser observado pela equipe ao alimentar o recém-nascido.

A Fonoaudióloga explica ainda que os bebês tem algumas facilidades e dificuldades na hora da amamentação sendo que para os prematuros isso muitas vezes isso é mais complicado. “O fonoaudiólogo avalia e libera a amamentação quando o recém-nascido tem condições clínicas e idade gestacional adequada (34 semanas de Idade Gestacional Corrigida), repassa os cuidados e particularidades de cada bebê a toda a equipe pois,  a postura adequada na amamentação vai favorecer a pega adequada. Não basta simplesmente ter sucção, o bebê tem que sugar e engolir, coordenar a sucção com a deglutição e a respiração, sem engasgar, ter ritmo porque  alguns ficam mais tempo dormindo do que mamando. Os mesmos cuidados valem também na hora de oferecer o copinho, mamadeira ou durante a translactação”, destaca a especialista, enfatizando que o  treinamento reiterou para a equipe de enfermagem as implicações de uma mamada inadequada como pneumonias aspirativas, baixo ganho de peso e desmame precoce.

Para a boa alimentação do recém-nascido, o trabalho interdisciplinar é fundamental, por exemplo, quando há a necessidade de complementar o leite materno a Nutrição avalia qual vai ser a fórmula (leite) mais indicada, e a Fonoaudiologia vai decidir a forma mais segura e eficiente de oferecer esse alimento ao bebê. Já a Enfermagem vai ministrar essa alimentação e relatar se houve alguma alteração ou problema na hora do consumo. Para a Enfermeira Roberta Goettems Da Silva, o treinamento foi bastante positivo e auxíliou na atualização dos conhecimentos. “Muitas vezes ficamos com algumas dúvidas e os treinamentos proporcionam esse momento de esclarecimentos. É importante também para que a equipe fique coesa e realizem os procedimentos de uma forma mais padronizada”, enaltece.

Relacionado

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site ou de seus editores.