Sábado, 20 de outubro de 2018

Facebook Twitter Instagram

<< Voltar

Uso de agrotóxicos coloca em risco a vida aquática

Publicado em 19.07.2016 9:42

Os agrotóxicos estão entre as principais fontes de contaminação de águas no Brasil. Somado a isso, o crescimento das cidades e a falta de atenção com o meio ambiente colocam em risco a vida aquática. Essa preocupação é pauta de mais um importante estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Passo Fundo (UPF), em parceria com a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e a Unesp.

Em áreas onde existe alta produção agrícola, nascentes e corpos de água sofrem com a quantidade de agrotóxicos que chegam. Consequentemente, esses produtos, como fungicidas e herbicidas, acabam atingindo organismos que vivem nesses ambientes. Pensando em verificar essa realidade, a pesquisa trouxe o seguinte questionamento: os agrotóxicos são percebidos ou não pelos peixes? Para responder, peixe-zebras adultos foram testados em uma câmara que permite que o animal escolha escapar ou procurar uma pista de água contaminada com os compostos.

A descoberta preocupante foi que, mesmo sendo prejudiciais à saúde dos peixes, os agrotóxicos não são percebidos por eles. “Os peixes não percebem a presença do composto, mesmo em doses bem altas, sendo assim, não os evitam. Com o estudo, também mostramos que o glifosato, o mais usado de todos, é percebido e evitado. Ele causa dor nos peixes por ser cáustico. O problema é que mesmo sendo ‘aversivo’, em condições de cultivo, os peixes não têm para onde fugir, sendo a presença do glifosato um fator de estresse e desconforto”, explica o professor Dr. Leonardo Barcellos, um dos integrantes da equipe.

O grupo de trabalho contou ainda com os pesquisadores João Gabriel Santos da Rosa, Murilo Sander de Abreu, Ana Cristina Varrone Giacomini, Gessi Koakoski, Fabiana Kalichak, Thiago Acosta Oliveira, Heloísa Helena de Alcântara Barcellos e Rodrigo Egydio Barreto.

Sem reação, futuro comprometido

Barcellos explica que os peixes dependem de quimiorrecepção para lidar com vários desafios ambientais, tais como encontrar comida, companheiros e evitar predadores. A execução desses comportamentos é baseada na lógica de se aproximar ou evitar esses ambientes. Segundo ele, tanto a atração quanto a aversão tem forte significado biológico e toxicológico. Sem a percepção desses contaminantes, os peixes permanecem por longos períodos na presença das substâncias e tendem a absorver concentrações mais elevadas do que aqueles que escapam de locais contaminados.

Entre as constatações, verificou-se velocidade afetada e a coordenação motora alterada, o que compromete a percepção do peixe para escapar da zona infectada.

 

Relacionado

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site ou de seus editores.